"Todos sabem fazer história - mas só os grandes sabem escrevê-la."
(Oscar WIlde)

Sejam bem vindos!

Este blog tem como finalidade tornar acessível aos meus alunos e quem mais se interessar os conteúdos de História e textos relacionados a educação... portanto Seja bem vindo ao espaço que foi criado especialmente para você.

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Aula do Prof. Adilson na FACE - Cipó

Prof. Adilson Nobre ministrando aula na FACE - Faculdade de Ciências Educacionais de Cipó-Ba, turma de Letras 2009.1, disciplina de Organização da Educação Brasileira.

Seminários sobre a LDB
 

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Qualidade da educação no Brasil ainda é baixa, aponta Unesco

Relatório indica que índices de repetência e abandono da escola no País são os mais elevados da América Latina

 


Elevados índices de repetência e de abandono da escola no Brasil foram apontados em relatório da Unesco   SÃO PAULO - Com índices de repetência e abandono da escola entre os mais elevados da América Latina, a educação no Brasil ainda corre para alcançar patamares adequados para um País que demonstra tanto vigor em outras áreas, como a economia. Segundo o Relatório de Monitoramento de Educação para Todos de 2010, da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco), a qualidade da educação no Brasil é baixa, principalmente no ensino básico.   Veja o relatório da Unesco   O relatório da Unesco aponta que, apesar da melhora apresentada entre 1999 e 2007, o índice de repetência no ensino fundamental brasileiro (18,7%) é o mais elevado na América Latina e fica expressivamente acima da média mundial (2,9%).   O alto índice de abandono nos primeiros anos de educação também alimenta a fragilidade do sistema educacional do Brasil. Cerca de 13,8% dos brasileiros largam os estudos já no primeiro ano no ensino básico. Neste quesito, o País só fica à frente da Nicarágua (26,2%) na América Latina e, mais uma vez, bem acima da média mundial (2,2%).       Na avaliação da Unesco, o Brasil poderia se encontrar em uma situação melhor se não fosse a baixa qualidade do seu ensino. Das quatro metas quantificáveis usadas pela organização, o País registra altos índices em três (atendimento universal, igualdade de gênero e analfabetismo), mas um indicador muito baixo no porcentual de crianças que ultrapassa o 5º ano. Problemas que a educação brasileira ainda enfrenta, a estrutura física precária das escolas e o número baixo de horas em sala de aula são apontados pelos técnicos da Unesco como fatores determinantes para a avaliação da qualidade do ensino.   Crise financeira   A crise financeira que ainda reprime o desenvolvimento de países em todo o mundo poderá também ter um reflexo bastante negativo na educação, alerta o relatório da Unesco. De acordo com a organização, o aumento da pobreza e os cortes nos orçamentos públicos das nações podem comprometer os progressos alcançados na educação na última década, principalmente nos países pobres.   "Enquanto os países ricos já estão criando as condições necessárias para sua recuperação econômica, muitos nações pobres enfrentam a perspectiva imediata de uma degradação de seus sistemas educativos", alerta Irina Bokova, diretora-geral da Unesco. "Não podemos permitir o surgimento de uma "geração perdida" de crianças privadas da possibilidade de receber uma educação que lhes permita sair da pobreza."   Com este cenário, a Unesco avalia que a comunidade internacional não deverá alcançar nenhum dos seis objetivos estabelecidos em 2000, em Dacar, no Senegal, que, juntos, visam a universalização do ensino fundamental até 2015. Segundo o relatório, seria necessário cobrir um déficit de US$ 16 bilhões para atingir essas metas, acabando com o analfabetismo, que hoje atinge cerca de 759 milhões de adulto no mundo, e possibilitando que as mais de 140 milhões de crianças e jovens que continuam fora da escola tenham a oportunidade de estudar.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Acontece em Heliópolis curso sobre educação

Entre os dias 07 e 10 de fevereiro de 2011 aconteceu na casa Paroquial em Heliópolis um curso de Formação Continuada para professores e estudantes de Pedagogia e Licenciaturas.
O evento contou com 10 palestrantes e cerca de 60 cursistas que na sua maioria eram estudantes de Pedagogia e Licenciaturas da FINOM e da UNIT, tendo como organizadora a Consultoria VITAL EDUCAR sob a supervisão do Prof. IGOR LEONARDO.
Este blogueiro que vos fala participou realizando duas palestras:

No dia 09/02 OFICINA O ENSINO DE HISTÓRIA: REFLETINDO SOBRE A PRÁTICA
 
No dia 10/02  COLÓQUIO: AS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO